ATIVIDADES RÍTMICAS - DANÇAS


Quando pensamos em atividade rítmica devemos fazer um resgate na História do Brasil voltamos ao século XVI, tínhamos 5 grupos que foram responsáveis pela cultura rítmica nacional que foram:

1º Povos indígenas;
2º Povos Europeus invasores;
3º Povos Africanos escravizados;
4º População descendente de imigrantes europeus;
5º População de migrantes brasileiros que vivem nos Estados.

Desses 5 grupos originaram se todas as culturas rítmicas e danças regionais que possuímos nas diferentes regiões do Brasil. Separando as Regiões Brasileiras temos as seguintes manifestações rítmicas ou danças regionais a seguir:


Carimbó - Norte

Dança Paraense criada pelos Índios Tupinambás, que pelos historiadores eram dotados de um excelente senso artístico. Iniciou-se com ritmo mais monótono e a partir da entrada dos escravos africanos na dança, passou a ser mais vibrante com a utilização dos tambores africanos. Com essa maior vibração os colonizadores portugueses passaram a incentivar e a participar, acrescentando assim as traços da expressão corporal característica da dança portuguesa. Não é a toa que a “dança do carimbo” apresenta em certas passagens, alguns movimentos das danças folclóricas lusitanas, com os dedos castanholando na marcação certa do ritmo agitado e absorvente.



Frevo - Nordeste

Dança Pernambucana que nasceu por volta de 1910, nascendo de um ritmo carnavalesco  bastante animado que é o frevo. O frevo vem da palavra ferver, pois seu estilo de dança parece que a pessoa está dançando sobre água quente. È dançada com um tipo de marchinha mais acelerada e tocada por bandas.
Seus passos são muito técnicos e complicados, pois incluem gingados, rodopios, passinhos miúdos e outros com grande grau de dificuldade. Os dançarinos utilizam roupas bem coloridas e um guarda-chuva aberto quando executam as coreografias.


Congada - Centro-oeste

Cururu é uma dança folclórica regional típica da região Centro-Oeste (Mato Grosso e Mato Grosso do Sul), mas originária de São Paulo. È típica das festas dos santos padroeiros, principalmente do Divino Espírito Santo e de São Benedito.Alguns pesquisadores afirmam que é uma dança de origem tupi-guarani, de função ritualística. Outros a consideram uma dança que recebeu igual influência do misticismo indígena, dos ofícios jesuítas e dos negros africanos. Inicialmente como dança de roda e usada pelos jesuítas na catequese, foi evoluindo para dança de festa religiosa e atualmente pode ser só cantada, em versos e desafios. O cururu só ficou nacionalmente conhecido quando foi levado como espetáculo ao público, por Cornélio Pires, em 1910.
A origem do nome também é controversa. Há duas teorias: uma, que diz que vem de "caruru", uma planta que era cozida com o feijão servido antes do início das orações e da dança; e outra que remete a origem ao sapo-cururu.


Catira - Sudeste

A catira ou cateretê é uma dança genuínamente brasileira.Ninguém sabe ao certo a verdadeira origem dessa dança, alguns acreditam que foi uma mistura de várias culturas como a africana,espanhola,índigena e portuguesa.Mas outras acreditam que foi uma forma encontrada pelos jesuítas para melhor introsamento com os índios.
A catira é  difundida entre os caipiras do estado de São Paulo. Nas zonas litorâneas ( desde Angra dos Reis até a baía de Paranaguá) era dançado usando-se tamancos de madeira. Já nas zonas pastoris (Barretos, Guaratinguetá, Itararé, sul de São Paulo e Minas, Norte do Paraná e Goiás) usavam-se grandes esporas chilenas para retinir melhor o som. Em muitos locais desses estados, a dança era executada com os pés descalços. O catireiro procura sempre "pisar as cordas da viola", termo que designa sincronia entre o toque do instrumento com o bater de pés e mãos.




Chula - Sul

A chula é uma dança e tipo de canção de origem portuguesa, já referida em fins do século XVII. Como dança, sua existência no Brasil está documentada pelo menos desde o princípio do século XIX. A chula caracteriza-se pela agilidade do sapateio do peão ou de diversos peões, em disputas. A masculinidade da dança, num desempenho solitário, sapateando sobre uma lança estendida no salão, retrata a imponência do peão, forjada pelas intempéries das campanhas e a coragem das lutas, na guarda de seu chão.


Chula com facões





18 comentários:

  1. Incrivel , parabéns pelo trabalho vou tirar 10

    ResponderExcluir
  2. Noossa em professor anderson mt legal esse site eu sou lais da 6 I

    ResponderExcluir
  3. legal , gostei me ajudou muito no meu trabalho!!!!

    ResponderExcluir
  4. Gostei de +++++++ . emuito legal vour 10 em educaçãõ fisica

    ResponderExcluir
  5. ola meu nome é antonio kkk

    ResponderExcluir
  6. Gostei d= nota 10
    Porque vc não entra no yahoo para responder umas perguntas?

    ResponderExcluir
  7. muito legal com certeza vou tirar 10

    ResponderExcluir
  8. Cara estava precisando achar um Site assim

    ResponderExcluir
  9. Tinha que ter Mais Conteúdo !

    ResponderExcluir
  10. Qualidade perfeita , mais se houvesse mais complementação com exemplos de mais danças ficaria excelente parabéns ! nota 1.000 rs :)

    ResponderExcluir
  11. bem legal esse site,mas essas danças é td do Brasil???

    ResponderExcluir
  12. maravilhoso para o meu trabalho axo que vou tirar um 10

    ResponderExcluir
  13. adorei muito essa pesquis

    ResponderExcluir
  14. gostei mt , mas acho que deveria ter mais coisas . Mais e isso ne obg

    ResponderExcluir
  15. Incriiveel Tirei 9,5.
    Vlw

    ResponderExcluir

Valeu pelo acesso e espero ter ajudado na pesquisa!
Curta no Facebook Blog de Educação Física!